VIII Mesa-redonda Internacional sobre a Lusitânia Romana – Entre Romanos e Bárbaros

cartaz

Nos dias 10 e 11 de maio, Mangualde acolhe a realização de uma reunião internacional que vai juntar especialistas de vários países sobre a Lusitânia Romana.

Trata-se da “VIII Mesa-redonda Internacional sobre a Lusitânia Romana – Entre Romanos e Bárbaros” que tem decorrido alternadamente em Portugal, Espanha e França. A iniciativa, organizada pela Câmara Municipal de Mangualde, pela Associação Cultural Azurara da Beira de Mangualde e pelo CEAUCP/CAM – Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto, conta com o apoio da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Dão e Alto Vouga e Fundação para a Ciência e a Tecnologia e vai ter lugar no auditório da Câmara Municipal de Mangualde.

A iniciativa é aberta a todos, mas sujeita a inscrição obrigatória para ACAB – Associação Cultural Azurara da Beira, apartado 165, 3534-909 Mangualde ou através do email jlivaz@gmail.com.

Ficha de inscrição disponível aqui.

O custo de participação é de 30€ para o público em geral e 10€ para estudantes.

A reunião, que visa a apresentação e o debate das mais recentes descobertas e investigações sobre a província romana da Lusitânia que se dividia entre os territórios portugueses e espanhóis atuais, visa aclarar o período pós desintegração do Império Romano até ao estabelecimento do reino visigodo naquele território. Na última reunião realizada em Toulouse, em 2008, ficou decidido que a próxima Mesa-redonda seria na Região de Viseu, considerando a importância que teve na época romana e períodos seguintes. Com início em 1989, a primeira reunião decorreu em Bordeaux, França, seguindo-se Salamanca, Madrid, Mérida, Cáceres, Cascais e Toulouse.

Grande parte dos convidados é estrangeira e proveniente de Espanha, França e Canadá, representando as instituições universitárias que mais se têm dedicado à investigação sobre a Lusitânia Romana. Os convidados portugueses, por sua vez, provêm das escolas universitárias onde se faz investigação sobre o mesmo tema. Da Comissão Científica fazem parte nomes como José d’ Encarnação (Univ. Coimbra), Trinidad Nogales (Diretora-geral do Património do Governo da Extremadura, Espanha), Maria da Conceição Lopes (Univ. Coimbra) e Pedro C. Carvalho (Univ. Coimbra).

Conferencistas/temáticas:

Amílcar Guerra, Universidade de Lisboa – Algumas considerações sobre as perdurações onomásticas no Ocidente peninsular.

André Carneiro, Universidade de Évora – Mudança e continuidade no povoamento rural no Alto Alentejo durante a Antiguidade Tardia.

Carlos Fabião, Universidade de Lisboa – A Lusitânia depois de Roma.

Catarina TenteAdriaan de Man, Universidade Nova de Lisboa – O fim da Lusitânia: fragmentação e emergência de poderes no território de Viseu.

Enrique Cerrillo de Cáceres, Universidade de Extremadura (Cáceres) – Los últimos tiempos romanos en Lusitania. El reflejo en las historias de los siglos XVI-XVIII.

Javier Andreu Pintado, UNED, Madrid – La presencia de la imagen imperial en las ciudades de Lusitania  durante la Antigüedad Tardía.

João L. Inês Vaz, Universidade Católica Portuguesa – Arquitetura e epigrafia paleocristãs da Lusitânia norte.

Jonathan Edmonson, Universidade de York, Toronto – The administration of Lusitania after the reforms of Diocletian.

José Cardim Ribeiro, Diretor do Museu Arqueológico de S. Miguel de Odrinhas – DE ENDOVELLICVS A SÃO MIGUEL: Um Percurso Acidentado, Indirecto e Longo.

José d’Encarnação, Universidade de Coimbra – Formulários epigráficos cristãos – inovação e continuidade.

José Luis Ramirez Sábada, Universidade de Santander, Espanha – Augusta Emerita entre romanos y bárbaros; testimonios epigráficos.

Maria da Conceição Lopes, Universidade de Coimbra e CEAUCP/CAM- – Título a anunciar.

Mauricio Pastor Muñoz, Universidade de Granada, Espanha – El final de los munera et venationes en Lusitania.

Mélanie Wolfram, Universidade de Évora – A Cristianização da Lusitânia meridional: arqueologia e epigrafia.

Pedro Carvalho, Universidade de Coimbra – O final do mundo romano: (des)continuidade e (in)visibilidade do registo nas paisagens rurais do interior norte da Lusitânia

Pedro Gomes Barbosa, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – Os Judeus na legislação visigoda.

Sabine Lefebvre, Universidade de Bourgogne – Réception du pouvoir impérial en Lusitanie de Dioclétien à la fin du IVe siècle.

Salinas de Frias, Universidade Salamanca, Espanha – Un miliario de Constantino II de la provincia de Salamanca y algunos aspectos del Bajo Imperio en el Occidente de la península Ibérica.

Trinidad Nogales Basarrate, Diretora Geral do Património no Governo da Extremadura – Projeto de um centro de documentação da Lusitânia.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s